Entre o machado do curupira e gameleiras encantadas: conservação da natureza, território e identidades na Serra do Brigadeiro, Zona da Mata Mineira (1976 a 2006)

Imagem de Miniatura

Data

2019-12-12

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Federal de Viçosa

Resumo

As narrativas produzidas por engenheiros e técnicos florestais do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa revelam os debates sobre silvicultura e conservação da natureza no ensino, na pesquisa e na extensão daquela universidade. A trajetória da engenharia florestal pode ser representada pela coexistência de projetos nos anos de 1960, aparentemente antagônicos para as florestas de Minas Gerais – produzir carvão vegetal para alimentar os fornos das siderúrgicas e conservar o que restava da Mata Atlântica no estado. As pesquisas para produção de essências florestais exóticas, preponderantemente o eucalipto, no entendimento científico florestal (fazedores de Florestas) daquelas décadas, solucionaria tal dilema, mantendo o progresso como imperativo e aliado da conservação, baseando-se no modelo conservacionista do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. No final dos anos de 1970, a Serra do Brigadeiro vai tornar-se o alvo desse movimento dialético das ciências florestais da UFV, passando à proposição de criação do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. Os debates de ideias dos proponentes (cientistas e ambientalistas), frente as reivindicações das comunidades do entorno da Serra do Brigadeiro, sobretudo durante a demarcação das áreas do parque nos anos de 1990, e a implantação do seu Plano de Manejo nos anos de 2000, fortalecem os laços comunitários da luta entre os agricultores da entorno da Unidade de Conservação, no entendimento de que a defesa pelo direito ao uso das terras passava necessariamente pelo reconhecimento das identidades arraigadas ao seu território. Essas identidades, em muitos aspectos vinculadas aos povos originários Puri, continuam existindo e resistindo na Serra dos Arrepiados com suas vozes que vêm da mata, da cura pelas plantas, das pedras, dos córregos, dos bichos e das gameleiras encantadas. Ali, na Serra dos Arrepiados, onde a floresta não é apenas um recurso, mas a moradia e o território dos símbolos e vivências do Povo da Mata. Palavras-chave: Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de viçosa (DEF/UFV). Parque Estadual Serra do Brigadeiro (PESB). Conservacionismo. Socioambientalismo. Território Rural Serra do Brigadeiro. Territorialização. Identidade Puri.
The narratives produced by engineers and forest technicians of the Department of Forest Engineering at the Federal University of Viçosa reveal debates on silviculture and nature conservation, in the teaching field, research and extension of that university. From then on, the trajectory of forest engineering can be represented by the coexistence of projects in the 1960s, apparently antagonistic to the forests of Minas Gerais - one producing charcoal to feed the steel mills and the other conserving what was left of the Atlantic Forest in the state. The research for the production of exotic forest essences, predominantly eucalyptus, in the understanding scientific forestry of those decades, would solve this dilemma, maintaining progress as an imperative and conservation ally, based on the conservation model of the Brazilian Institute of Development Forestry. In the late 1970s, Serra do Brigadeiro became the target of this dialectic movement of forest sciences at UFV, proposition the establishment of Serra do Brigadeiro State Park. The debates of ideas of the proponents (scientists and environmentalists), from the protests of the communities around “Serra do Brigadeiro”, especially during the demarcation of the park areas in the 1990s and the implementation of its Management Plan in the 2000s, strengthen the community ties of the struggle between farmers of the Conservation Unit, in the understanding that the defence for the rights of the land usage, required the recognition of identities rooted in their territory. These identities, in many ways linked to the populace Puri, continue to exist and resisting at “Serra dos Arrepiados” with their voices coming from the woods, the healing plants, the rocks, streams, animals and enchanted “gameleiras” trees. There, in the “Serra dos Arrepiados”, where the forest is not only a resource, but the dwelling and the territory of the symbols and experiences of a populace “Povo da Mata”. Keywords: Department of Forest Engineering at the Federal University of Viçosa (DEF/UFV). Serra do Brigadeiro State Park (PESB). Conservationism, Socio-environmentalism. Serra do Brigadeiro Rural Territory. Territorialization. Puri Identity.

Descrição

Palavras-chave

Florestas - Conservação - Minas Gerais, Ambientalismo - Aspectos sociais, Índios Puri - Identidade étnica, Universidade Federal de Viçosa. Departamento de Engenharia Florestal, Parque Estadual Serra do Brigadeiro (MG) - Condições rurais

Citação

SANTOS, Adailton Damião dos. Entre o machado do curupira e gameleiras encantadas: conservação da natureza, território e identidades na Serra do Brigadeiro, Zona da Mata Mineira (1976 a 2006). 2019. 229 f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2019.

Avaliação

Revisão

Suplementado Por

Referenciado Por